Tristeza, Solidão e Isolamento

Tristeza, Solidão e Isolamento

Em consultório, não é raro encontrar pessoas que apresentam diagnóstico de Depressão e, diante de uma breve investigação, é possível perceber a confusão entre tristeza, solidão e isolamento.

Muitas pessoas tem dificuldades em lidar com as adversidades da vida, o que acontece na vida de todos nós e, por não desenvolver nenhuma forma de autoconhecimento, tornam-se inseguras e frustradas.

O que poderia ser um desafio de superação, acaba tornando-se um campo de vitimismo e reclamação, gerando até um estado depressivo.

Como então identificar a Solidão?

Ao abordarmos a solidão, a etimologia da palavra solidão é referida a “só”, termo que vem do latim e pode significar tanto “desacompanhado” e “solitário” como “único”.

A solidão pode ser analisada por meio da dor e do sofrimento oriundo de alguma perda, bem como pela capacidade de estar só na ausência do outro.

Do ponto de vista sociológico, a solidão pode ser vista como um subproduto da construção social do indivíduo.

Nesse caso, podemos nos referir a isolamento, na medida em que o homem afirma sua individualidade e isolamento do outro.

Esse isolamento pode se tornar insuportável e gerar a tentativa de relação interpessoal.

Neste caso, a solidão pode manifestar-se tanto na ausência quanto na presença de um outro.

É possível que o homem faça da solidão uma oportunidade de entrar em contato consigo mesmo para amadurecer e melhor seus relacionamentos.

Se o homem não faz da solidão uma oportunidade para seu próprio crescimento, ele perde um importante estado existencial que o ajudará a vencer a longo prazo a própria solidão, propiciando o desenvolvimento de recursos internos de força e senso de direção para adaptar-se e abrir-se para se relacionar com outros seres humanos.

O que fazer para sair desse estado?

Uma dica para sair da solidão é seguir a máxima “ Conhece-te a ti mesmo” e permita-se uma profunda auto-observação.

Papel e caneta

Para isso, escrever pode ser um excelente recurso. Tenha em mãos papel e caneta ou algum recurso digital e libere tudo o que pensa sobre você, o que sente e como se vê.

Em outro momento, pense sobre as críticas que os outros fazem de você e avalie com imparcialidade – leve em conta que se duas ou mais pessoas falam a mesma coisa sobre você, é possível que estejam certas.

Isso o levará a uma reflexão sobre seus comportamentos e uma oportunidade de mudança.

Interesse pelas pessoas

Outra dica é: tenha interesse real pelas pessoas e passe mais tempo com elas.

Relacionar-se é algo maravilhoso que pode ser milagroso e surpreendente!

Todos temos natureza amorosa, compassiva e isso nos leva a querer compartilhar dores e alegrias, e a encontrar resiliência e força.

Abra-se para o outro!

Deixe uma resposta

Fechar Menu